Pagamento via PIX cresce 471% e facilita a vida dos brasileiros

Pagamento via PIX cresce 471% e facilita a vida dos brasileiros

Arrecadação
15 jul 2021

O sistema de pagamento instantâneo via PIX caiu no gosto do brasileiro. A comprovação está nos números da Pesquisa Febraban de Tecnologia Bancária, divulgada no fim de junho de 2021. Conforme o levantamento junto a 21 bancos, as transações somaram 59,2 milhões em novembro, quando entrou em vigor. Em março de 2021, entretanto, o número saltou para 338,2 milhões. Ou seja, apresentou um crescimento de 471%.

Inclusive, o PIX já representa 30% das operações de pagamento no país. Por outro lado, as transferências tradicionais (DOC/TED) caíram de 229,4 milhões para 218,5 milhões no mesmo período. Ainda, a pesquisa mostra que o número de usuários cadastrados com mais de 30 recebimentos por PIX no mês aumentou de 6 mil para 519 mil em março.

Uma nova realidade que facilita os pagamentos realizados por milhões de brasileiros, o que inclui os contribuintes que precisam quitar taxas e impostos municipais. É o caso em Prefeituras que contam com a tecnologia da IPM Sistemas, uma das únicas empresas de softwares de gestão pública que permite o pagamento via PIX.

A primeira homologação efetuada pela IPM foi para a Prefeitura de Massaranduba, em 10 de março. O município foi o primeiro de Santa Catarina a permitir o pagamento de tributos municipais via PIX. Aliás, um dos primeiros do país. Desde então, outras Prefeituras passaram a disponibilizar a forma de pagamento.

Clientes IPM já receberam R$ 23 milhões via pagamento PIX

As Prefeituras que utilizam o sistema de gestão pública da IPM e implementaram o pagamento por PIX já receberam mais de 51 mil guias pela modalidade em quatro meses. Como resultado, isso significa a transação de R$ 23 milhões entre março e julho de 2021.

Ou seja, essas cidades permitem o pagamento de taxas de alvarás, contribuições de melhorias, serviços agrícolas, IPTU, entre outros, com PIX. Basta o contribuinte acessar o portal da Prefeitura e escolher a opção. Então poderá apontar a câmera do celular para o QR Code ou copiar a chave para o seu APP bancário. Pronto, já faz o pagamento, de forma segura e no conforto de sua casa ou escritório.

“É um grande avanço para os municípios, em especial para o aumento da arrecadação. É mais uma forma de o contribuinte manter seus débitos em dias, podendo efetuar o pagamento em qualquer banco e em qualquer hora do dia, sem precisar pagar tarifas bancárias entre bancos”, explica Marcelo Alvin Kiefer, coordenador de Desenvolvimento Tributação da IPM Sistemas.

Entretanto, no momento apenas é possível fazer pagamento via PIX em municípios que possuem convênio com o Banco do Brasil ou a Caixa Econômica Federal. Nesse caso, havendo interesse, basta que os gestores públicos contratem seus bancos. “Até o final do ano, acreditamos que todos os clientes IPM terão esta opção habilitada”, salienta Kiefer.

> Vídeo: como a tecnologia IPM ajuda a construir Cidades Inteligentes

Uma facilidade ao cidadão que não onera a Prefeitura

Por exemplo, pode-se citar Pouso Alegre, no sudoeste de Minas Gerais, que tem uma população estimada em 152,5 mil habitantes. Lá, mais de 35 mil guias municipais já foram pagas com PIX, movimentando cerca de R$ 12 milhões.

Conforme o secretário de Administração e Finanças, Júlio César da Silva Tavares, é de grande importância para uma Prefeitura ter como efetuar o recebimento de tributos por meio dessa nova tecnologia.

“O PIX atende à necessidade do contribuinte de não precisar ir a um banco conveniado, então, ele têm a conveniência, a agilidade de um procedimento. E, para a Prefeitura, representa mais um canal de recebimento, sem que isso onere os cofres municipais”, destaca Tavares. 

Ainda, o secretário salienta a importância de utilizar a tecnologia a favor da gestão pública. “Além dessa questão da facilidade, é muito importante que tenhamos o apoio de um parceiro, de um fornecedor de softwares que tenha agilidade e capacidade de rapidamente processar os documentos e as informações de modo seguro e preciso”, enfatiza.

“A IPM Sistemas, que é nossa parceira desde 2018, vem atendendo a esse requisito de ser uma empresa ágil, que está à frente. As modernidades são rapidamente implementadas no município, que recebe todos os benefícios dessas inovações”, observa Tavares.

Videira (SC) tem alta adesão ao pagamento via PIX

Outro bom exemplo é Videira (SC), município com cerca de 54 mil habitantes, no Oeste Catarinense, que implementou o PIX em maio. Desde então, já foram quitadas mais de 6,5 mil guias, movimentando cerca de R$ 5 milhões. Pode-se concluir, portanto, que essa alta movimentação em tão pouco tempo indica a aprovação da novidade.

“O grande ganho foi ter mais um canal para o contribuinte quitar seus tributos. Esse era um anseio antigo. Houve muitos elogios para a Prefeitura, por disponibilizar uma forma rápida e moderna de pagamento”, conta o secretário da Fazenda de Videira, Luiz Carlos Bondicz.

De acordo com Bondicz, a implementação do pagamento via PIX resolveu uma situação antiga. “É mais uma opção dada ao cidadão, que antes tinha dificuldade de fazer o recolhimento dos tributos, porque era um documento de arrecadação, que ficava restrito ao pagamento junto à Caixa, Banco do Brasil e Lotérias”, salienta Bondicz. 

“Em função da pandemia, muitos que não movimentavam suas contas nesses bancos estavam com dificuldades. Agora, independentemente do bando do contribuinte, ele pode fazer suas quitações usando PIX”, completa.

Vídeo: confira 5 passos para ter uma Cidade Inteligente

 

LEIA TAMBÉM:

> IPM cria Departamento de Modernização Digital da Administração Pública

> Cronograma do eSocial: fique atento aos prazos para Órgãos Públicos

> Novo Siafic: entenda o que muda com o Decreto 10.540

> Clientes IPM ganham Selo APS de Qualidade do Ministério da Saúde

> Atende.Net localiza MEIs registrados após a Resolução CGSIM 59/2020

 

Siga a IPM no Linkedin, Facebook, Twitter, Instagram e Youtube

 

Voltar Voltar para notícias
Compartilhe essa notícia
Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook Compartilhe no Linkedin
Retornar ao topo da página